QUILOMBOS NO RIO GRANDE DO SUL (UMBANDA GAÚCHA) BATUQUE DE NAÇÃO


O trabalhador negro escravizado teve importante participação na formação e no desenvolvimento da sociedade do sul do país. A primeira referência conhecida sobre QUILOMBO no Rio Grande do Sul é de 1813. Uma correspondência do juiz Domingos Francisco Pereira de Andrade ao governador da capitania solicitava que o capitão-do-mato Ignácio Francisco Quintanilha e seus acompanhantes, responsáveis pela destruição de um quilombo e pela captura de dez quilombolas no sertão da Serra Geral, se apresentassem no foro de Porto Alegre para que se procedesse “à devassa na forma da lei”.
Em 8 de novembro de 1879, o jornal Mercantil de Porto Alegre noticiou que "QUILOMBOLAS atravessaram as ruas da cidade antes de serem apreendidos no cerrado capão localizado na rua Direita (hoje General Canabarro), na quadra entre as ruas da Igreja (Duque de Caxias) e do Arvoredo (Fernando Machado)". (Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil)

Foto: Virgílio Calegari, década de 1890 (acervo do Museu Joaquim José Felizardo)